sexta-feira, 30 de setembro de 2011

#Garupando: Ribeirão da Ilha !

Bommm dia amigas e amigos, lindo dia de sol para dar aquele passeio de moto heim??!!!
Você já conhece a Freguesia do Ribeirão da Ilha em Florianópolis? Não??? Excelente dica de passeio, para você que mora aqui nas redondezas e para quem mora longe também!!!
Saiba um pouco mais sobre o Ribeirão:

O Ribeirão da Ilha foi uma das primeiras comunidades do Estado e a primeira de Florianópolis a ser habitada, no século XVI, pelos índios Carijós. O nome dado à praia origina-se de um pequeno rio ou ribeira, situado no local (ribeiracô em linguagem indígena).
De acordo com historiadores, os primeiros navegadores portugueses e espanhóis chegaram por volta de 1506. Vinte anos mais tarde, o navegador Sebastião Caboto atravessou o Atlântico e veio para cá, e segundo informações, foi no Porto do Ribeirão que Caboto teria ancorado. Entre 1748 e 1756 houve a colonização efetiva da Ilha, desembarcando cerca de seis mil açorianos. Alguns autores contam que cinquenta casais estabeleceram-se no Ribeirão da Ilha.
Localizado a 36 quilômetros do centro de Florianópolis, o Ribeirão da Ilha é composto por várias praias pequenas, de águas calmas e areia grossa. É considerado um dos poucos lugares do litoral Sul do Brasil que conserva bem os traços da colonização portuguesa. Um passeio até a praia é uma volta aos costumes e cultura açorianos.
Logo quando se chega, percebe-se os traços definidores desta cultura ainda preservados de forma original e intensa. As casas, em sua maioria, possuem paredes rosas com janelas amarelas ou brancas. Ou verde com azul. As cortinas também chamam a atenção, quase todas feitas de renda. Além disso, é comum a presença de mulheres debruçadas na janela, apreciando o movimento do lado de fora, ou proseando com alguma comadre que por ali passa. Enquanto isso, seus maridos, quase todos pescadores, puxam as redes na praia para trazer peixe fresco para casa.
O casario açoriano, a Igreja Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão e o Museu Etnológico do Ribeirão da Ilha (que guarda documentos e algumas peças que contam a história da região) são alguns exemplos de lugares típicos de Florianópolis que também estão situados no Ribeirão da Ilha. 
(Fonte: Guiafloripa)


Como chegar: A partir do centro, siga pela via expressa sul, túnel, depois pela SC 405 em direção ao sul da ilha, e a direita no cruzamento com Morro das Pedras, SC 406.


Então, está esperando o quê? Temos a mais absoluta certeza de que não irá se arrepender em conhecer este lugar fantástico, repleto de casas no estilo açoriano, coloridas, pessoas simpáticas e prestativas e que conta com lojas de artesanato nativo e inúmeros restaurantes da mais alta qualidade, compatíveis com todos os gostos e bolsos. 




Fica a dica. Bom passeio, boas estradas!!!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

#Miscelânea: Você tem um sonho?

Boa tarde amigos, tudo bem? Este comercial é muito interessante. Conta a história de um grupo de amigos de Taiwan, todos na faixa dos 80 anos de idade e cada um com seu problema de saúde. Um belo dia em um dos seus encontros, resolvem realizar um grande sonho, então começa a preparação. Não deixe de assistir e refletir, quantos de nós já não sonhamos com algo grandioso  e por vários motivos vamos adiando e nos rendendo ao que a vida nos impõe?! Pense nisso, não importa o tamanho do seu sonho, nunca é tarde é para realizá-lo, mas, para que esperar tanto????
Pegue sua moto, seu amor, sua paixão,amigo (a), irmão (a)...vá só, mas vá!! Pegue a estrada e seja feliz!!!
O comercial é do TC-Bank e é emocionante.
Forte abraço!!! Boas estradas!!!


video

#Novidades: Moto para meninas????


Não tem nada de photoshop ou customização, o que você está vendo é tudo original. Esta é a Yamaha XJ6 Rosa Itália, que será a moto oficial do Giro d’Italia 2011, além de homenagear o aniversário de 150 anos da unificação italiana. Logo de cara a sensação é de espanto para o público masculino, mas para a mulherada é uma bela obra de arte, não é meninas?
A Yamaha XJ6 é uma moto que tem um perfil bem interessante para as mulheres e com esta roupagem, a atratividade fica ainda maior.
Como o próprio nome já define, a Yamaha XJ6 Rosa Itália é uma edição limitada à aquele país sendo comercializada por EUR 6.690, mas quem sabe a idéia não pegue e se espalhe mundo à fora?


Te agradou? Compre a sua e boas estradas!!!!!

Fonte: http://www.motodriver.com.br

#Dicas: Pilotagem 4


PILOTAGEM 4
Uma moto mais segura começa na sua cabeça... 

- Uma prova de inteligência: CAPACETE aprovado pelo INMETRO. 
- JAQUETA de couro ou em tecido resistente, com punhos justos. 
- LUVAS apropriadas. 
- FARÓIS ACESOS, mesmo durante o dia. 
- Manter a motocicleta sempre em boas condições é fundamental. 
- Verifique SEMPRE: freios, faróis, luzes de pisca, luz de freio, óleo, combustível, folga de corrente e retrovisores - mantenha as peças originais. 

vai até os pés ... 
- Calças em tecido RESISTENTE. 
- Nos pés, use BOTAS. 
- PNEUS - observe a profundidade dos sulcos, calibragem. 

e continua na garupa.... 
- Na garupa também se usa o CAPACETE. 
- Transporte PASSAGEIRO SÓ NA GARUPA, que é o único lugar para ele na moto.
- NUNCA TRANSPORTE CRIANÇA com menos de sete anos de idade, ou que não tenha condições de cuidar da própria segurança. 

Fonte: Conselho Estadual de Trânsito de SP 

Condutores de moto podem, ocupar o mesmo espaço de um carro.
   Os motociclistas, por possuírem veículos menores e mais ágeis, precisam redobrar os cuidados ao enfrentar o trânsito das grandes cidades.
   De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, a moto tem o direito de ocupar o mesmo espaço de um carro nas ruas, avenidas e estradas do país. Por isso, as motos podem, e devem, evitar trafegar pelos chamados “corredores” — espaços que se formam entre um veículo e outro.

   Além disso, para garantir sua segurança, os condutores de moto devem sinalizar sempre para que os outros motoristas notem sua presença. Uma boa dica é trafegar com o farol aceso mesmo durante o dia.
   Ao dirigir entre carros parados, o motorista deve diminuir a velocidade e ficar atento à pedestres que possam atravessar a rua distraidamente e também à motoristas que possam abrir a porta do carro sem olhar pelo retrovisor externo.
   Também é aconselhável manter uma distância segura em relação ao veículo da frente — cerca de 30 metros — , evitar ultrapassar pela direita e trafegar pela calçada ou por locais utilizados por pedestres.
   Os motociclistas também precisam tomar cuidado com as armadilhas da cidade: manchas de óleo, areia e pedras na pista, consertos nas ruas encobertos por placas metálicas e trilhos e bueiros sem tampa. 

Fonte: Jornal Diário de São Paulo 

    Para quem anda de moto, algumas dicas nunca são demais.  
   Para evitar acidentes, toda a atenção é pouca. Velhos conselhos eram tão certos que acabaram transformando-se em artigos do Código de Trânsito Brasileiro. 
  Um deles, o de dirigir com farol aceso mesmo durante o dia, não é simplesmente para o motociclista ver melhor, mas também, para se tornar mais visível, não só aos olhos dos pedestres como para os dos outros motoristas. 
   O uso do capacete, tanto para piloto como para o garupa, também virou lei. Lugar de capacete é na cabeça e não no retrovisor ou pendurado no cotovelo. Em caso de queda, se o capacete estiver no cotovelo, pode provocar fraturas múltipas no braço, além de não proteger a cabeça que é o local certo para usá-lo. 
   Apesar de a moda ser o uso de capacetes pretos, o ideal são cores claras, o mais chamativas possível. E sempre utilizá-lo com a presilha do pescoço fechada. Sempre que estiver andando atrás de um carro, o piloto deve prestar atenção também no outro carro da frente, para antecipar uma freada. 
   A posição de dirigir além de mais conforto, pode representar segurança. Braços e pernas devem ficar flexionados para funcionarem como um amortecedor absorvendo os impactos e possibilitando maior domínio da moto. Sentar com os braços esticados dificultam os movimentos do piloto, além de prejudicar a coluna. 
   Nos corredores entre os carros, o piloto deve reduzir a velocidade para que tenha condições de se livrar de um imprevisto, como um buraco, uma porta que se abre ou mesmo um motorista distraído que muda de faixa sem sinalizar. 
   Na hora de frenagem, o ideal é que se utilize sempre mais o freio dianteiro do que o traseiro. 
   Por último, concentração total. O piloto deve conhecer sua moto e seus limites para não perder atenção. Qualquer deslize pode significar acidente. 

Fonte: Jornal Diário de São Paulo 

   Apesar de grande parte dos motociclistas ter se conscientizado da importância do capacete para a segurança no trânsito, ainda é possível encontrar, com certa facilidade, condutores com o capacete no cotovelo ou simplesmente sem ele.

   Tão importante quanto usar o capacete, é usar o modelo correto. Hoje existem diversos tipos, para todo estilo de moto e motociclista. Mas um dos mais conhecidos não é permitido pelo Código de Trânsito Brasileiro: o famoso “coquinho”. Esse capacete não oferece segurança, pois não conta com proteção para o rosto, dos lados e atrás da cabeça, o que, em caso de acidente, pode ser fatal. 

   Os capacetes que não possuem viseira são permitidos, desde que o condutor esteja usando óculos de proteção com visor lateral — óculos de sol não possuem essa função. 

   Ao comprar um capacete, não esqueça de verificar se o mesmo possui certificado do Inmetro, pois somente eles são aprovados para o trânsito. 

   Multa- Segundo a CET, em 2003 foram aplicadas 18.435 multas por falta do uso do capacete em São Paulo. E a lei também obriga o garupa a usar o equipamento. A multa para quem desrespeita o código é de R$ 191,54, além de sete pontos na carteira. 

28/01/2004 - Diário de São Paulo 

terça-feira, 27 de setembro de 2011

#Miscelânea:Oração do Motociclista!

video

#Dicas: Pilotagem 3

A cada dia que passa tem aumentado o volume de motocicletas em nossas ruas e por conseqüência tem aumentado também o número de acidentes com as motocicletas.

   Um dos motivos da elevada ocorrência de acidentes com as motocicletas em nosso país é a falta de uma cultura consolidada no uso da motocicleta.
Movidos pela necessidade de transporte eficiente e de baixo custo, muitos jovens compram suas motocicletas sem saber exatamente o que é uma motocicleta e sem saber que terão em suas mãos um veiculo extremamente perigoso, quando não utilizado de forma adequada.

A motocicleta  é perigosa:
   Essa é a dica mais importante para quem vai passar a utilizar uma motocicleta. Nunca subestime essa característica. Não se deve subir em uma motocicleta sem ter a consciência que se trata realmente de um veiculo perigoso e que nos expõe a um volume muito grande de riscos. Por menor que seja o acidente é impossível não ocorrerem conseqüências .

Motocicleta não é automóvel:


A motocicleta não oferece a mesma segurança que um veiculo de quatro rodas que se sustenta sozinho, onde os ocupantes estão protegidos pela carroceria. Estudos demonstram que pilotar motocicletas exige maiores habilidades do que conduzir automóveis. 

   Nunca é demais ressaltar que a motocicleta não fica de pé sozinha e sua tendência natural é cair. 

Os Comandos:
   Se você já dirige automóvel e vai pilotar uma moto pela primeira vez procure se familiarizar com todos os comandos. Os comandos da motocicleta são totalmente diferentes dos automóveis, as atividades realizadas com os pés e as mãos são diferentes, portanto nosso cérebro demora certo tempo para se adaptar. Já vi muitos acidentes com jovens motociclistas que não conseguiram parar a moto simplesmente porque “esqueceram” de usar o freio dianteiro pelo fato de seu acionamento ser feito  pela mão.

A manutenção da motocicleta:
   Os componentes mecânicos da motocicleta têm uma ação muito mais direta e importante na condução do veiculo. Não utilize sua motocicleta sem os devidos cuidados com a manutenção preventiva. 

   Especialmente nunca utilize sua motocicleta quando os freios ou pneus não estiverem em condições excepcionalmente adequadas.

A Carteira de Habilitação:
   De posse da carteira de habilitação os jovens motociclistas acreditam que já estão totalmente aptos para pilotar, isso é um grande engano, em geral as auto-escolas não ensinam a pilotar, elas apenas ensinam como passar no exame. 

Ganhando experiência:
   Pelo fato da maior dificuldade de se conduzir uma motocicleta, antes de começar a usá-la rotineiramente no transito pesado, é aconselhável que se pratique bastante em locais seguros com transito mais tranqüilo. Apenas enfrente o transito pesado após se familiarizar bastante com a condução da motocicleta, ou seja, não utilize a motocicleta rotineiramente se não tiver bastante experiência e acima de tudo se não se sentir seguro para isso. 

Pilotando com garupa:
   A motocicleta é um veículo proporcionalmente bem mais leve que os automóveis, portanto o pêso transportado tem uma influência muito maior na sua condução. 

   Só passe a transportar garupa quando já tiver adquirido boa experiência na pilotagem. O peso adicional da garupa altera totalmente a dinâmica da motocicleta e exige muito mais dos componentes mecânicos, em especial freio, pneus e suspensão. Já vi muitos acidentes onde o piloto não conseguiu parar a tempo a motocicleta por nunca ter andado com garupa. 

Pilote de forma tranqüila:
   Em virtude dos altos riscos, a pilotagem da motocicleta não permite margens para erros, pois eles sempre se transformarão em acidentes. Então se acostume a pilotar de forma compenetrada, fique sempre “focado” na pilotagem. Procure não desviar sua atenção e acima de tudo pilote de forma tranqüila, os mais corriqueiros acidentes ocorrem porque perdemos nossa concentração por estar preocupado com alguma outra coisa. Programe sempre seus horários, nunca saia atrasado para seus compromissos, pilotar com pressa e preocupado são uma formula perfeita para se evolver em acidentes. 

   Aqui vale a “Lei de Murphy”, se alguma coisa pode dar errado, com certeza vai dar.  

Pilote de forma preventiva:
   Procure pilotar tentando prever todas suas ações futuras. Procure sempre imaginar o “cenário” futuro de sua rota. Procure pilotar tentando interpretar as ações de todos fatores que compõe a sua rota. 
   
   Procure sempre visualizar o mais a frente possível. Aprenda a “enxergar” prováveis situações de risco, como um cachorro caminhando na calçada ou acostamento e a qualquer momento pode entrar na pista, ou de um veículo encostado cujo motorista esta prestes a abrir a porta e fechar sua rota. Somente a pilotagem de forma preventiva pode realmente diminuir os riscos de acidentes.

Respeite sempre as regras de transito:
   Parece besteira, mas lembre-se que toda a dinâmica no transito se baseia em regras que definem a participação de cada um nesse processo. Em geral os outros motoristas executam suas ações baseadas nas regras existentes, quando desvirtuamos essas regras aumenta muito o risco de nos envolver em acidentes. 

Os motoristas não “enxergam” as motocicletas:
   Estudos demonstram que a maioria dos motoristas em geral acaba condicionando seu cérebro a “enxergar” somente os veículos grandes como automóveis, caminhonetes, caminhões e ônibus. Muitos acidentes são causados porque os motoristas não conseguiram perceber a presença de animais, pedestres, ciclistas ou motociclistas. Evite sempre transitar e ultrapassar pela direita dos veículos.  ,

   Mantenha sempre o farol aceso. Use roupas coloridas e com faixas refletivas. 

Não confie nos outros motoristas:
   Imagine sempre que os outros condutores não estão vendo você, imagine que eles a qualquer momento vão cometer erros. Preste muita atenção nos cruzamentos, mesmo que a preferencial seja sua, reduza a velocidade e cruze com cuidado. 

   Lembre-se que em caso de acidentes envolvendo a motocicleta e um automóvel, não importa quem esteja com a razão, os motociclistas sempre serão os maiores prejudicados.

Equipamentos de segurança:
   Se você optou em comprar e utilizar uma motocicleta tem que tem consciência que é um veiculo que exige para sua utilização o uso de vestimenta adequada.  Capacete, jaqueta adequada, sapato ou bota resistentes são itens imprescindíveis.

   Não pilote sua motocicleta sem estar utilizando equipamentos mínimos de segurança. Esqueça o romantismo, a questão cultural e a questão climática, saiba que pilotar a motocicleta usando camiseta, bermuda ou chinelo é um ato de altíssimo risco.

Conhecendo os pisos:
   Como a motocicleta depende do equilíbrio para não cair, a condição do piso é muito importante para a pilotagem com segurança. Aprenda a visualizar todos tipos de perigo que você pode encontrar nos pisos como: locais molhados, areia na pista, óleo na pista, calçamentos de pedra, faixa brancas de sinalização. Procure transitar nas faixas de rodagem dos pneus dos automóveis, evite as laterais da pista, pois normalmente é onde a areia fica depositada, e evite o centro da pista, pois normalmente existe o respingo de óleo dos motores dos veículos. (leia mais em Pilotagem 2)

Pilotando com chuva:
   Para o motociclista a chuva é um acontecimento que tem uma influência muito grande, ela altera totalmente as condições de pilotagem. Devemos redobrar todos os aspectos com a segurança na pilotagem com chuva. Os pneus e freios perdem boa parte de sua eficiência, o piso fica escorregadio, a visibilidade diminui e muitas outras dificuldades acontecem. Em condição de chuva reduza a velocidade e procure pilotar com muito mais cuidado e atenção.

Excesso de confiança:
   Aprenda a controlar sua adrenalina e suas emoções, preserve sempre suas habilidades, não basta pilotar bem, é necessário conseguir distinguir com clareza todas as situações de risco. Normalmente após algum tempo pilotando motocicletas sentimo-nos mais à vontade e seguros e então “baixamos a guarda”, quando isso acontece os acidentes são inevitáveis. 

Respeite a motocicleta e os seus limites:
   Se você pilotar respeitando a características especiais da motocicleta e acima de tudo respeitando seus próprios limites, alem de ter em suas mão um excelente meio de transporte terá um veiculo que poderá proporcionar diversas alegrias por muitos e muitos anos.

Fonte: www.aguiasdoasfalto.com.b


#Notícias: Terceiro dia de Rock in Rio tem grupos de integrantes de moto clubes


Eu fui: Tomada pelo amor às motos




Que feche a primeira janela do navegador da internet quem não acha que heavy metal e motocicleta fazem uma combinação tão perfeita quanto feijão com arroz. Neste terceiro dia de Rock in Rio, dedicado ao puro rock n’ roll pesado, seria impossível não se deparar com integrantes de moto clubes.


Na Rua do Rock encontrei um grupo bastante simpático e animado: Wladas, Klaus, Fredi, Wilson Spartans M.C., William, o Bifinho Turma do Cachorro Loco, Renê Barreto F.P.F. e Márcio, o Lixo Turma do Cachorro Loco me receberam superbem em sua roda de conversa.


Eles chegaram ao Rio de Janeiro ontem, com suas jaquetas de couro adornadas com patches e um estilo de se vestir que evidencia que pertencem a moto clubes. Vieram de moto, claro. Perguntei quanto tempo levaram para fazer o trajeto São Paulo-Rio, e recebi um honesto: “Depende de quantos bares tinha no caminho”.


À gafe do meu colega, Roberto, sobre serem motoqueiros, eles logo fizeram questão de corrigir: “Motoqueiro, não! Motociclistas!”, disseram, emendando com “a motocicleta você pode até comprar, o espírito nunca”. Bonito.


O grupo veio para ver Motörhead e Metallica, claro, mas também estava no clima para assistir todas as outras bandas de rock, afinal, a ideia era, de qualquer jeito, curtir o espírito metaleiro. Entre ações filantrópicas aqui e acolá, os moto clubes se divertem em eventos como o Rock in Rio e ajudam a deixar os shows mais divertidos com seus figurinos descolados e seu espírito rock n' roll. 

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

#Dicas: pilotagem 1



Algumas táticas para diminuir os riscos da pilotagem:
1) Na cidade ou na estrada, pilote sempre com responsabilidade.

2) Diminua a velocidade quando houver incertezas na rua ou estrada.

3) Nunca pilote com álcool na cabeça, no estômago, ou nas veias.

4) Não ultrapasse sem ter certeza: visão frontal, e dos espelhos.

5) Nunca faça conversão a esquerda em pistas de mão dupla, dê a volta no quarteirão.

6) Não salte em lombadas, este instrumento é construído para reduzir a velocidade.

7) Cuidado quando ficar algum tempo sem pilotar. Ficar muito tempo longe da moto pode acarretar em perda de reflexo.

8) Se pilotar todos os dias, não abuse da confiança.

9) Em viagens, pare com frequência de 100 a 200 km, faça um alongamento , tome uma água, o vento desidrata, sua viagem ficará mais prazerosa , e você verá detalhes do trajeto que nunca imaginava que existissem.

10) Pilote sempre com a luz acesa.

11) Cuidado com veículos estacionados, eles tendem a sair em cima de você.

12) Cuidado com cruzamentos.

13) Quando for inevitável uma parada de emergência mantenha o giro do motor, até acelere um pouco. Com o pé esquerdo vá baixando as marchas e, com o direito mantenha a ação no freio traseiro.

14) Independente da sua velocidade de tocada, a distância segura do carro/moto da frente sempre será no mínimo de 3 segundos, é o tempo que você leva para acionar os freios.

15) Freiar em curva com a moto inclinada , pouco irá te ajudar, (exceto quem toca muito, muito mesmo), o normal é terra.

16) Faça uma inspeção rápida nas condições da moto , sempre que for andar após um período parado, pneus, corrente, pregos, raio quebrado, bagagens solta.

17) Não existe sinal totalmente verde para moto, tenha uma reserva de cautela.

18) Usar equipamentos de segurança, principalmente o capacete, sempre.

19) Na estrada ou cidade, mantenha a visão no ponto mais longe possível, de preferência, movimente o raio de visão, uma no espelho, uma na direita , uma na esquerda e uma no centro.

20) Em uma curva média ou alta, não use toda a linha interrna da curva já no seu início, isso diminue o seu campo de visão.

21) Quando viajar com muita bagagem, várias mochilas e bolsas, coloque a moto bem na vertical, e vá amarrando individualmente, volume por volume. É a única maneira da sua bagagem permanecer firme.

Fonte:   http://www.osmotoqueiros.com.br/?tag=pilotagem-defensiva

#Dicas:pilotagem 2



Vários são os assuntos para discutir neste espaço, escolhemos alguns que consideramos mais importantes.

FREADA: frear deve ser sempre uma atitude de extremo cuidado não importa se você está lento ou rápido. o tipo de solo e a posição da moto (em pé ou inclinada) podem influenciar muito no resultado da freada. Frear um moto não é igual a frear uma bicicleta (freio traseiro), tenha sempre em mente que as leis da física estão presentes e que não adianta você lembrar dos seus tempos de criança quando lhe ensinaram a frear a bicicleta com a roda de trás! A moto é diferente, todo peso desloca para frente impulsionando a moto a permanecer em movimento (inércia dos corpos) portanto você deve frear 70% com a roda dianteira e 30% com a roda traseira, mas cuidado para não alicatar o freio (bloquear a roda) o freio deve ser gradual e contínuo até a moto parar.

   Freie sempre em pé, evite frear em curva com a moto inclinada a chance de escorregar com a dianteira é grande. 

   Se pensar na traseira, esqueça! O resultado é pior! A moto atravessará e chicoteará a traseira impulsionando você para cima (chimada) e o tombo é certo! 

   Fazer o quê? Reduza se possível pelo motor (freio motor) ajudando com os dois freios suavemente, qualquer movimento brusco com o guidom também poderá derrubá-lo. 

   Prefira sempre frear antes das curvas e não nelas.
   O freio que pára a moto é o dianteiro!

SINALIZAR FREADA: Tenha sempre em mente que seu companheiro que vem atrás nunca sabe quando você vai frear até ver sua luz de freio acender, portanto facilite, sempre dê uma ou duas "beliscadas" no freio antes de frear propriamente, isso poderá evitar um acidente!

FAIXA DIVISÓRIA DE PISTA: esta faixa que divide as pistas é sempre em alto relevo por ter uma camada de tinta mais grossa e andar sobre ela as vezes desgoverna a moto, portanto sempre segure firme seu guidom quando estiver sobre ela. 

   Se a pista estiver molhada, o cuidado sobre esta faixa deve ser muito maior, pois esta tinta, para brilhar a noite, é feita com micro-esferas de vidro e o vidro molhado é altamente escorregadio.

   NUNCA TRACIONE a moto sobre estas faixas de marcação de pista, é possível que a moto dispare a rotação da roda traseira e quando passar a faixa ela certamente escorregará demais, causando uma queda!

FAROL NO ESPELHO: Quando você estiver por ultrapassar um veículo, sempre que possível coloque seu farol no espelho retrovisor dele para facilitar a visão do motorista. Na maioria das vezes quando ele lhe vê, dá uma "chegadinha" para a direita e facilita a ultrapassagem, senão for assim, pelo menos ele sabe que você está ali e que logo lhe ultrapassará.

MANCHAS NO ASFALTO: Tenha sempre atenção com manchas no asfalto, na maioria das vezes pode ser óleo ou consertos que podem estar desnivelados com a pista, em ambos os casos evite pois a chance de escorregar é sempre grande. Esteja sempre atento a cheiros fortes, especialmente de combustíveis, o diesel é extremamente escorregadio e as vezes um caminhão pode estar vazando ou tenha tombado na pista portanto cautela!

CABECEIRAS DE PONTES: Sempre que for entrar na cabeceira de uma ponte ou sair dela levante do banco, é normal o desnível e isso pode provocar um salto e o descontrole da moto, se você estiver em pé nas pedaleiras, o impacto será menor. 

   Outra razão para fazer isso é sua coluna, o impacto que a suspensão não for capaz de absorver será repassado para seu corpo mais exatamente para a coluna e ao final de algumas horas de viajem você se lembrará desta dica!

BURACOS: Como enfrentá-los? Primeiro evite-os! Quando não for possível, freie o que puder antes dele, NUNCA FREIE NO BURACO! a roda dianteira poderá trancar e catapultá-lo, levante do banco e passe-o. Muitos buracos entortam o aro e quando for pneu sem câmara, poderá esvaziar rapidamente, portanto cuidado!

ESTERÇAR: Também chamado de contra-esterço. Muitos motociclistas não conhecem este termo ou seu resultado. Esterçar é dobrar o guidom ao contrário do sentido da curva. Parece loucura?! Mas não é! 

   Faça um teste: quando estiver andando em reta numa pista larga, empurre suave e lentamente o guidom para a esquerda, qual será o resultado? A princípio pensaremos que a moto irá para a esquerda, mas não! ela irá para a direita! Este resultado deve-se, para não se alongar, ao deslocamento de centro de gravidade e superfície de contato do pneu no chão pelo efeito "giroscópico" (surge em velocidades superiores a 35 km/h e se torna maior conforme a velocidade, trata-se de um fenômeno físico criado pelo movimento das rodas da moto e que tende a mantê-la em pé e linha reta enquanto houver movimento e velocidade). Quando aplicamos isso em uma curva é uma delícia! a moto faz a curva com mais suavidade e leveza sem escapar de frente comum às motos pesadas. 
Obs: Quanto mais rápido você estiver, maior será o deslocamento, por isso faça com cuidado nas primeiras vezes. Para fazer isso em uma curva, ao começá-la torça suavemente o guidom no sentido contrário da curva e incline o corpo, normalmente como você sempre fez, verá que a moto inclinará mais facilmente para dentro da curva na medida que você esterçar mais, portanto você poderá regular o raio de ação de sua curva esterçando mais ou menos.
   
   Se você estiver na curva e quiser levantar a moto que está inclinada, basta diminuir o esterçar para você levantar. 

   Experimente! Mas com cuidado! sua pilotagem vai mudar radicalmente e para melhor!

Esta dica só vale para asfalto.

Fonte: www.aguiasdoasfalto.com.br

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

#Miscelânea: Motos Curiosas e Bizarras!

Olá pessoal, hoje fazendo um "tour" pela internet veja o que encontramos. Alguns modelos de motos que se enquadram na categoria Curiosas e outras em Bizarras. Faça sua própria classificação, rsrsrs!

Motos Bizarras

motorcycle design,themed bikes,predator bike,ghost rider bike

motorcycle design,themed bikes,predator bike,ghost rider bike











É isso aí! Uma excelente semana a todos! Boas estradas

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

#Miscelânea: Design de Capacetes

Quanta criatividade!!! Vai que a moda pega??!!! Escolha o seu e pé na estrada!!!!


“Good” é uma empresa russa de design de produto e recentemente criou uma colecção de grafismos (design gráfico) originais e criativos para capacetes de motorizados. A ideia é assertivamente apelativa, inovadora, surrealista e de trago cómico e “funny”. Para infelicidade dos amantes destes acessórios, os capacetes (por enquanto) ainda estão adormecidos em papel de esquisso e não se sabe se serão produzidos e comercializados. Se por ventura, a sua comercialização for avante, aguardaremos a legalização comercial deste produto em território nacional, nomeadamente a aprovação da segurança rodoviária.
FORTE ABRAÇO E BOAS ESTRADAS!

#Dicas: Você já ouviu falar em Mudras? Sabe para que servem?

Amigas e amigos do motociclismo  você já ouviu falar em Mudras? Sabe para que servem?
Veja como gestos simples podem te ajudar na pilotagem da  moto.
Basta clicar no título para ser direcionado ao texto.


 Hasta Mudra 

 

Jyeshtha Sharir a Mudra
 


Matangi Mudra (gesto da harmonia interior)
 


Rudra Mudra (gesto do plexo solar)
 

Gostou da dica? Boas estradas!!!!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

#Dicas: Tratando de dinheiro durante a viagem.

Veja algumas dicas para usar seu dinheiro em viagens, principalmente em outros países.


Tratando de dinheiro durante a viagem.

   Quando vamos viajar para outros países de motocicleta precisamos fazer a logística do dinheiro e claro guardar os cartões e o dinheiro em espécie em locais seguros e diferentes (assim em caso de perda, o prejuízo não será grande).

   Três são as formas de pagar as contas numa viagem internacional:

 1) Utilizando cartões de crédito internacionais 
- Nesse caso é preciso que você entre em contato com as administradoras dos seus cartões e a informe os países que irá cruzar e solicite a "habilitação" dos seus cartões para uso nesses países. Importante frisar que muitas regiões de países distantes não aceitam cartões de crédito.

2) Moedas locais ou dólares americanos
- Leve consigo moedas locais, ou leve dólar americano e faça o câmbio nos países que irá cruzar. O ideal é levar uma pequena quantidade de dólar americano, pois, caso perca, o prejuízo não será grande.

3) Cartão de viagem internacional
- São como cartões de crédito (Visa ou Mastercard), que são previamente carregados com a quantidade de dólar americano que quiser e durante a viagem você pode utilizá-los em locais que aceitam o cartão de crédito convencional (ai será uma operação de débito) ou pode realizar saques em caixas 24 horas na moeda local. O custo de cada operação (saque) é de U$ 2,50.

A empresa emite o cartão de viagem e realiza a venda de dólares americanos para viagens. O processo é simples e ágil (atendimento em todo o Brasil). Existem diversas outras empresas que também realizam esse serviço disponíveis no mercado. 


Fonte: Policarpo Jr. - Rock Riders.com.br

terça-feira, 13 de setembro de 2011

#Dicas: Efeitos da altitude em nosso corpo, você conhece?


Efeitos da Altitude
Efeitos da altitude em nosso corpo.
por Gabriel Miranda - Redação Saúde Plena
 
   Poucas horas após desembarcar numa cidade de altitude elevada, é comum a pessoa sentir o impacto do ar rarefeito no organismo. Dentre os principais problemas enfrentados por quem está nos pontos mais altos do planeta, estão os males relacionados ao frio, à pressão e à respiração. Em alguns casos, os riscos são perigosos. Confira os principais perigos para quem pretende encarar as alturas.

1. Qual é a diferença entre as condições encontradas nessas cidades?
   Quanto maior é a altitude, menor é a pressão atmosférica e mais rarefeito é o ar que respiramos. Também há uma redução na temperatura, que cai em média 6,5 graus a cada 1.000 metros de altura. Por fim, há um aumento na intensidade dos raios solares (que, aliás, podem provocar graves queimaduras). Com o ar rarefeito, somado ao incômodo provocado pelas condições climáticas mais duras, o funcionamento do organismo muda, e podem ocorrer efeitos desconfortáveis.

2. O que acontece quando alguém sai do nível do mar e sobe demais?

   Quem vive em cidades ao nível do mar ou em localidades relativamente baixas não está acostumado às condições atmosféricas das grandes altitudes – portanto, o organismo sente o impacto da mudança e precisa de tempo para se adaptar. O corpo responde da seguinte maneira: a freqüência respiratória aumenta, a freqüência cardíaca se acelera e a concentração de glóbulos vermelhos, que transportam o oxigênio para os músculos, aumenta no sangue. Nesse período de adaptação, os sintomas mais comuns são respiração curta, dores de cabeça, náusea, vômitos, tontura, insônia (em dois terços dos casos) e perda de apetite (em um terço das pessoas). 

3. Todas as pessoas sentem os sintomas negativos da altitude maior?

   Não. É impossível prever se alguém sofrerá com os sintomas ou terá uma adaptação tranqüila. Calcula-se que os sintomas negativos sejam sentidos por cerca de 15% das pessoas a 2.000 metros de altura. O índice sobe para 60% quando se chega a 4.000 metros. A mais de 5.000, todas as pessoas sentem algum tipo de efeito negativo. Qualquer pessoa está sujeita ao problema – fatores como idade ou sexo não são determinantes. A característica que mais pesa na definição de quem sofre ou não com os efeitos da altitude é a condição física. Geralmente, quem está bem condicionado lida melhor com a situação. O bom preparo e o fôlego em dia, porém, não garantem totalmente que uma pessoa ficará livre dos sintomas. 

4. O que é possível fazer para amenizar (ou eliminar) esses sintomas?

  O melhor é subir aos poucos, ou seja, viajar a alturas sucessivamente maiores e dar tempo suficiente para a adaptação. Quanto mais rápida é a chegada e mais alto é o destino, piores são os sintomas. Assim, uma pessoa que vive ao nível do mar e resolve visitar La Paz, a mais de 3.600 metros, pode evitar problemas gastando alguns dias numa altura intermediária, a pouco mais de 2.000 metros. Quem não tem tempo para fazer a adaptação deve tentar chegar ao destino com uma boa condição física – recomenda-se caminhar ou correr nas semanas que antecedem a viagem.

5. Que tipo de substância é possível ingerir para evitar os problemas?

  Alguns médicos prescrevem medicamentos para combater os efeitos da altitude. O Diamox (acetazolamida), que ajuda a metabolizar mais oxigênio, é um deles – o consumo deve começar 24 horas antes da chegada ao destino, duas ou três vezes ao dia. Outras opções são a dexametasona, um esteróide, e o gingko biloba, um fitoterápico. O uso dos remédios, contudo, é polêmica. Muitos médicos não gostam de receitar essas substâncias contra a altitude. Soluções mais seguras são a aspirina, a cafeína e, nos países andinos, o chá de coca – todos são capazes de amenizar os efeitos da altitude.

6. Quais são as cidades onde os sintomas podem ser mais sentidos?
  Todas as que são localizadas em grandes cadeias de montanhas ou em altiplanos. Há localidades muito altas na Europa, América do Norte e Ásia, em especial Nepal e Tibete. No continente sul-americano, as mais altas cidades estão na Bolívia, no Peru, no Equador e na Colômbia. O país de Evo Morales tem, além de La Paz, as cidades de Oruro, El Alto e Potosí – essa última é conhecida como a cidade mais alta do planeta, a mais de 4.100 metros. A peruana Cusco (3.400 metros), a equatoriana Quito (2.800 metros) e a colombiana Bogotá (2.650 metros) são outras cidades muito altas nos países vizinhos. 

7. Existe risco de vida para uma pessoa que viaja às altitudes maiores?

  Sim. Nos casos de sintomas mais graves, pode surgir até um edema pulmonar (fluidos nos pulmões) ou edema cerebral (inchaço do cérebro). Se o visitante de uma cidade muito alta não cometeu excessos (na alimentação, no consumo de bebidas alcoólicas e no excesso de atividade física) mas ainda assim sofreu sintomas fortes demais, recomenda-se procurar um médico. Os sintomas devem ser levados a sério: se não desaparecerem com o tempo, precisam ser examinados. 

8. Quem mora na altitude elevada pode passar mal ao descer ao mar?

   Algumas pessoas nessa situação reclamam de algum desconforto, de perda de apetite e de dores de cabeça por causa da diferença nas condições climáticas. No geral, porém, os moradores de cidades muito altas não enfrentam dificuldades na descida. No caso dos atletas, isso é até usado em favor de um melhor desempenho. Quem treina na altitude rende mais ao nível do mar. Como o ar rarefeito ensina o organismo a absorver e a processar melhor o oxigênio, o rendimento melhora.



sexta-feira, 9 de setembro de 2011

#Viagem: Vamos dar um "pulinho" ali em Ushuaia??!!!

Fin del Mundo. A emoção de estar lá é indescritível. Pense, você está no extremo sul do Continente Americano.

A
















Fin del Mundo. A emoção de estar lá é indescritível. Pense, você está no extremo sul do Continente Americano.   

   Para chegar lá, a partir de Rio Gallegos, você ainda terá que passar pela Tierra del Fuego, pelo Estreito de Magalhães. Cruzará a Cordilheira dos Andes.  E, e, e (argh!), 128 kms de ´rípio´.

   Não se apavore, vamos por partes. 

   Pode-se usar os roteiros/mapas anteriores (Colônia Sacramento, Puerto Deseado) até Rio Gallegos.

   Saindo de Rio Gallegos continue na Ruta 3  para o sul. Não tem o quê errar.

   Visual incrível, ´ferry-boat´ na travessia do Estreito de Magalhães, ´Toninas´ (uma espécie de golfinho preto e branco) almoçando, pinguins sendo almoçados, mas, emocionante mesmo é descer e rodar pela - lendária - Tierra del Fuego até Cerro Sombrero. 

   Aqui começa seu ´test-drive´, onde  você  será testado pela moto.

  Simples. 128 kms de extensão e 15 cm (em alguns trechos chegando a 30 cm) de profundidade de pedras arredondadas, do tipo daquelas de fundo de rio (seichos). 

   A impressão é que você está pilotando uma moto de 250 Kgs com os pneus furados. Além disso, há dois carreros formados pelos pneus de caminhões e carros que trafegam pelo trecho compactando dois trilhos. Nem pense em sair dos ´trilhos´, se sair só pense em voltar.

  Então, use suas habilidades e, com calma, vá.

  Cuidado com uns caminhões-tanque que transportam água. Andam em alta velocidade, não se preocupam se vão te dar uma ´pedrada´ ou uma ´fechada´. Sentem-se os ´donos do pedaço´. 

  Sugiro o pernoite ao final do ´rípio´. 
  Primeiro, por que a travessia é tensa e cansativa, e, não há lugar melhor para descansar e passar a noite do que em San Sebastian.

   Quando você avistar a fronteira entre Chile e Argentina, haverá um pequeno bar a sua direita. 
  
  O que identificará o bar é uma simples placa da Coca-Cola. 

  Mas, há nos fundos do bar um hotel feito com ´containers´. Acredite, é a melhor estadia da região. Camas ótimas, limpíssimas, um chuveiro quente e o mais delicioso ´cordero´ que já comi.
  Sem contar a pasta de trutas com torradas e vinho. 

   No dia seguinte, a Cordilheira será seu troféu.  

  A travessia será pelo ´Passo Garibaldi´ aproveite, se emocione, sorria, pule, vibre, chore, e reze você fêz por merecer estar no fim do mundo.

   Para o pernoite em Ushuaia sugerimos um hotel que não sei mais o nome, mas, é muito fácil de achar. 
Fica bem em frente ao supermercado Carrefour. É só perguntar, todos conhecem. O Carrefour claro.

   Não deixe de visitar o Parque Nacional de Lapataia a 28 kms de distância. 

   É lá que fica o marco do Km Zero da Ruta 3 e as margens do Canal de Beagle.

   Com ótima infraestrutura, o Parque tem lanchonete, restaurante, loja de ´souvenirs´, banheiros com chuveiros.

   Curta, são 14 trilhas muito bem sinalizadas, área para camping e visuais incríveis para fotos.

A cidade de Ushuaia é voltada ao turismo, bons restaurantes, acolhedora. 

Interessante é a mudança do tempo, em cinco minutos você sai de um clima de verão para inverno extremo. Ventos fortes são rotineiros.

Mas, tudo isso é espetacular lembre-se: Você está no Fim do Mundo.

Ushuaia. Uma Viagem ao ´Fim do Mundo`.
Janeiro de 2008.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

#Viagem:Saudades do Atacama!

Voltamos, para lhes falar um pouco mais sobre o Magnífico Deserto do Atacama. Sim, lembramos já ter falado sobre esta viagem mística para vocês, o que acontece é que nossa saudade deste lugar mágico e fantástico, onde a vida se revela num verdadeiro milagre divino, aflorou, com a partida de de alguns amigos para lá. Hoje, devem estar saindo de Purmamarca a caminho de Susques, o dia deve estar lindo e colorido, enquanto aqui, chove sem parar. Mas, tudo bem, as férias estão chegando, rsrsrsr! Amigos, boa viagem!
Encontramos um texto na internet, que resume um pouco de tudo o que é o imponente Deserto do Atacama.



O deserto do Atacama está localizado na região norte do Chile. Com cerca de 200 km de extensão, é considerado o deserto mais alto e mais árido do mundo, pois chove muito pouco na região, em consequência das correntes marítimas do Pacífico não conseguirem passar para o deserto, por causa de sua altitude.
Assim, quando se evaporam, as nuvens húmidas descarregam o seu conteúdo antes de chegar ao deserto, podendo deixá-lo durante longas épocas sem chuva. Isso torna-o de uma aridez incrível.


O Valle de la Luna é um paraíso natural, localizado neste deserto. Possui uma grande quantidade de iguanas de origem africana, trazidas pelos escravos na época em que os espanhóis os traziam para o Chile.
Localizado num vale de origem vulcânica, o local mais parece um vale lunar com uma rara beleza e um variado número de espécies animais e vegetais, se comparado com as restantes áreas do deserto.


As temperaturas no deserto variam entre 0ºC à noite e 40ºC durante o dia. Em função destas condições existem poucas cidades e vilas no deserto; uma delas, muito conhecida, é San Pedro de Atacama, que tem pouco mais de 3 000 habitantes e está a 2 400 metros de altitude.
Por ser bem isolada é considerada um oásis no meio do deserto e o principal ponto de encontro de viajantes do mundo inteiro, fotógrafos, astrónomos, cientistas, pesquisadores e aventureiros.


Uma das maiores atracções deste deserto são os Geiseres de Tatio que se localizam no Valle de La Luna, a cerca de 4.320 metros de altitude. As grandes colunas de vapor saem para a superfície através de fissuras na crosta terrestre, alcançando a temperatura de 85°C e 10 metros de altura. Estes geiseres são formados quando os rios gelados subterrâneos entram em contacto com as rochas quentes.



A flora deste deserto é formada basicamente por árvores de pequeno porte, arbustos e cactos. Um terreno muito seco, pouco propício a brotar algumas plantas. A fauna é formada por animais pequenos como ratos, lagartos e cobras, também há presença de lamas, guanacos, flamingos e outros animais que com o tempo foram se adaptando ao clima.


O terreno da região é bastante diversificado tanto no aspecto de altitude como de formação, variando de altitudes quase ao nível do mar até 6893 metros, como no caso de Ojos del Salado, o vulcão mais alto do mundo. Também se encontram áreas marcadas por erosão, dunas e montanhas. O solo é diversificado, mas é composto basicamente de sal e areia.  A região, apesar de ser seca e não apresentar um índice pluviométrico relevante, apresenta alguns lagos com água quase todo o ano, servindo de fonte de vida tanto para os habitantes da região quanto para os animais que lá habitam.

Com mais de 330 noites claras por ano e um dos céus mais limpos do planeta, o Deserto de Atacama é um paraíso para os astrónomos. A região foi primeiramente habitada pelos atacamenhos, povo da região juntamente com a civilização dos nativos aimaras, ambos deixaram um legado inestimável em termos arqueológicos, daí o seu nome deserto do Atacama. Tal riqueza é guardada em importantes museus, salientando-se o Museu de San Miguel de Azapa localizado no Vale de Azapadadeduer distante 12 km de Arica e o Museu Del Padre Le Paige, em San Pedro do Atacama. Há importantes manifestações de arte rupestre pré-colombianas na região, que é o berço de uma das maiores esculturas de figura humana feita na pré-história, o Gigante do Atacama. Nas entranhas do deserto também se podem descobrir ruínas intactas como as da aldeia de Tulor, que datam de 800 a.C., e as pukaras, fortalezas de defesa em Quitor e Lasana, além do centro administrativo Inca em Catarpe, Aricae Ásia.

Próximo da cidade de Antofagasta, a escultura de uma mão gigante, em fibra de vidro, é fruto do trabalho do artista chileno Mario Irrizábal. Esta escultura é conhecida no Chile como "A Mão do Deserto" e é um marco ao lado da estrada panamericana, que percorre o deserto do Atacama de norte a sul.

Gente, sabe o melhor de tudo isto? Nós estivemos lá e pudemos vislumbrar tudo com nossos próprios olhos. Sem falar nas peculiaridades já contadas aqui neste blog anteriormente sobre esta viagem. As fotos são nossas também.

Amigos Rô e Ivan, Amélia e Sérgio, boa viagem, que os anjos do asfalto continuem com vocês e que em seu retorno estejam repletos de histórias para nos contar.

E você? quando vai se permitir vivenciar isto tudo? Tenham certeza que esta viagem será inesquecível.
Maiores informações: http://www.confrariadoslobos.com.br/

Aquele abraço e boas estradas a todos!

Fonte texto:http://pedroferreira.web.officelive.com/MM/Atacama.html