segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

#Viagem 2º dia: Rosário do Sul, RS para Las Flores, AR


Saímos de Rosário de Sul, com um belo dia para viajar, sem calor forte e sem chuva. Hoje pretendemos atravessar o Uruguay e chegar em Las Flores, no lado argentino.
Estrada tranquila até Riveira, onde fizemos a aduana para ingressar no Uruguai. Sem filas e sem complicações, apenas o pessoal do câmbio no lado de fora da Imigração, mais insistente do que nunca para trocar dinheiro, dessa vez até um trocado nos pediram (fim dos tempos). Já tínhamos levado alguns pesos uruguaios para passar o dia. O que foi bom, pois não estavam pagando muito bem no real.

Seguimos viagem por este País que gostamos tanto, de paisagens lindas, onde as pessoas são educadas e muito gentis. Sem problema algum com a polícia.


As estradas no geral são sempre muito boas no Uruguai, aquelas retas "infinitas", onde se vê em ambos os lados criações de gado, ovelhas e Avestruz (estas na região de Salto, já estão até exportando a carne).
Temperatura hoje muito agradável para o verão, normalmente nessa época costuma ser muito quente nessa região, já chegamos a pegar temperaturas de 40ºC em janeiro de 2014.







Gado.





Avestruz

Ovelhas.
Ficamos surpresos ao nos deparamos com buracos na pista, mas em poucos trechos, mais lá na região das termas (Salto, Arapey , Daiman). Assista o vídeo abaixo.


video


Fizemos a passagem para a Argentina por Paysandú (Ponte Internacional) no lado uruguaio e Colón no lado argentino.

Antes de Fazer a imigração você paga um pedágio para passar a ponte, 40 pesos uruguaios para moto, este foi o único que pagamos no País, em todos os outros, motos são liberadas - passando por uma via lateral. Os tramites foram rápidos, não havia quase ninguém no horário em que passamos. Existe ali também um Free Shop, mas só se pode comprar quando se está ingressando no Uruguai.



Tarifas.

Depois de realizados todos os tramites, cruzamos a Ponte Internacional e chegamos no lado argentino (Colón).

Pte. Internacional Gral. Artigas.


Entre Gualeyguachú e Zárate, passamos pela ponte sobre o Rio Paraná. Assista o vídeo e observe que a ponte tem pilares e tabuleiro muito alto para poder passar navios que navegam até no rio Paraguay até Assunção, a Bolivia , e Corumbá  no Mato Grosso . Ao lado da ponte passa uma malha ferroviária.

                             video

A estrada e as viagens tem dessas coisas, encontramos hoje ao parar para abastecer, um casal de Blumenau também descendo para Ushuaia. Conversando, descobrimos que temos algumas pessoas conhecidas em comum (esse mundo é mesmo muito pequeno). Após as apresentações seguimos nossa viagem de moto e eles de Carro, fizemos o restante do trajeto juntos.


Chegando em Las Flores, tudo indicava que viria uma baita chuva, mas conseguimos chegar até lá sem ela. Conseguimos encontrar o Hotel com vagas e sem a necessidade de entrar na cidade para procurar por um, o que nos deixou contentes, pois no dia seguinte seria só seguir viagem a partir dali. Normalmente as entradas e saídas das cidades tomam um certo tempo e exigem paciência. Conseguimos vaga também para nossos novos amigos Fredy e Sonia. O hotel não oferece jantar nas suas dependências, mas, a poucos metros existem dois restaurantes, indicamos o primeiro, logos após o Hotel. Foi um jantar animado e divertido.

Fachada do hotel.
Café da manhã.
Depois de uma boa noite de sono no Hotel Residencial Balo (http://www.balohotel.com/contacto), tomamos nosso café da manhã e voltamos para a estrada. Recomendamos: acomodações simples, porém muito limpas, excelente colchão, roupa de cama e toalhas limpas, chuveiro com jato forte, perfeito para dar aquela amolecida na musculatura depois de um dia de estrada, wi-fi, estacionamento fechado e atendimento excepcional. O pernoite inclui o café da manhã.



Embora Fredy e Sônia tenham praticamente o mesmo roteiro que o nosso, contam com tempo menor para realizá-lo, devemos então, voltar a nos encontrar em alguma outra altura da viagem novamente.
Hora de voltar pra estrada.



Total Rodado Hoje: 1.066 Km.

Trajeto do dia:
Observação: No Google não aparece essa ponte em Paysandú, motivo pelo qual, pintamos em vermelho a rota que fizemos.




Amanhã tem mais.


domingo, 28 de dezembro de 2014

#viagem: 1º dia: Florianópolis, SC - Rosário do Sul, RS.

E finalmente chegou o dia de  da nossa tão esperada e planejada viagem : 28/12/2014 -Rumo a Ushuaia.
Saímos de Floripa e nosso destino final foi Rosário do Sul, RS.
O primeiro dia foi tranquilo, estrada no geral muito boa. Uns 100 km antes de chegar em Rosário é que a pista ficou ruim, asfalto com desgastes e alguns buracos. Temperatura média de 27 graus. Sem chuva forte. Tudo certo.
Passamos por dois pedágios, um  em Gravataí  R$2,55 e o outro em Eldorado do Sul, que nos custou R$ 5,15.

Algumas fotos do trajeto!

Saída de casa.









Pegamos aquele trânsito "básico" em Laguna, alguns quilômetros de fila, mas nada que nos tirasse o sorriso do rosto, afinal, estávamos apenas começando nossa viagem. 
Impressionante como as pessoas de adaptaram ao congestionamento nesse trecho e já aproveitam para ganhar algum trocado, vendendo água, frutas, salgadinho e pasmem, oferecendo o banheiro de casa para ser utilizado no valor de R$3,00 por pessoa.
 Após passar a fila e aproveitar para fotografar calmamente a nova ponte, seguimos viagem, admirando as belas paisagens.



 Região de plantação de arroz, formam belas paisagens.
Plantação de arroz.









Guaíba

Região de Bagé, RS.


Próximo a Rosário do Sul, RS.





Gostamos desse hotel, pelo atendimento, comodidade e por não precisar entrar na cidade para seguir viagem.
Rosário Park Hotel: Pagamos 150,00 para o casal com café da manhã, wifi, piscina, ar condicionado, estacionamento, bom atendimento. Restaurante anexo ao hotel bem simples, mas a comida não deixou a desejar nem a cerveja gelada!!!!







 Por hoje é isto, amanhã seguimos viagem!!!!

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

#Dicas: Pilotagem, dicas para iniciantes.

Algumas dicas para quem está começando a pilotar!



FREIADA
Freiar deve ser sempre uma atitude de extremo cuidado não importa se você está lento ou rápido. O tipo de solo e a posição da moto (em pé ou inclinada) podem influenciar muito no resultado da freiada. Freiar um moto não é igual a freiar uma bicicleta (freio traseiro), tenha sempre em mente que as leis da física estão presentes e que não adianta você lembrar dos seus tempos de criança quando lhe ensinaram a freiar a bicicleta com a roda de trás! A moto é diferente, todo peso desloca para frente impulsionando a moto a permanecer em movimento (inércia dos corpos), portanto você deve freiar 70% com a roda dianteira e 30% com a roda traseira. Mas cuidado para não alicatar o freio (bloquear a roda). A aplicação do freio o deve ser gradual e continua até a moto parar. Freie sempre em pé, evite freiar em curva com a moto inclinada. A chance de escorregar com a dianteira é grande, se pensar na traseira, esqueça! O resultado é pior! A moto atravessará e chicoteará a traseira impulsionando você para cima e o tombo é certo! Reduza se possível pelo uso do freio motor ajudando com os dois freios suavemente, pois qualquer movimento brusco com o guidom também poderá derrubá-lo. Prefira sempre freiar antes das curvas e não nelas! O freio que pára a moto de verdade é o dianteiro!

SINALIZAR A FREIADA
Tenha sempre em mente que seu companheiro que vem atrás nunca sabe quando você vai freiar até ver sua luz de freio acender, portanto facilite para ele. Sempre dê uma ou duas "beliscadas" no freio antes de freiar propriamente, isso poderá evitar um acidente!

FAIXA DIVISÓRIA DE PISTA
A faixa que divide as pistas é sempre em alto relevo por ter uma camada de tinta mais grossa e andar sobre ela às vezes desgoverna a moto, portanto sempre segure firme seu guidom quando estiver sobre ela ou cruzando-a. Se a pista estiver molhada, o cuidado sobre esta faixa deve ser muito maior, pois esta tinta para brilhar a noite é feita com micro esferas de vidro e o vidro molhado é altamente escorregadio. Nunca acelere a moto sobre estas faixas de marcação de pista, é possível que a moto dispare a rotação da roda traseira e quando passar a faixa ela certamente escorregará demais, causando uma queda!

FAROL NO ESPELHO
Quando você estiver por ultrapassar um veículo, sempre que possível coloque seu farol no espelho retrovisor dele para facilitar a visão do motorista. Na maioria das vezes quando ele lhe vê, dá uma "chegadinha" para a direita e facilita a ultrapassagem, se não for assim, pelo menos ele sabe que você está ali e que logo lhe ultrapassará.

MANCHAS NO ASFALTO
Tenha sempre atenção com manchas no asfalto. Muitas vezes pode ser óleo ou consertos que podem estar desnivelados com a pista. Em ambos os casos evite as manchas, pois a chance de escorregar é sempre grande. Esteja sempre atento a cheiros fortes, especialmente de combustíveis, o óleo diesel em especial é extremamente escorregadio e as vezes um caminhão pode estar vazando ou ter tombado na pista, portanto cautela!

CABECEIRAS DE PONTES
Sempre que for entrar na cabeceira de uma ponte ou sair dela levante do banco. É normal o desnível nesses pontos e isso pode provocar um salto e o descontrole da moto. Se você estiver em pé nas pedaleiras, o impacto será menor. Outra razão para fazer isso é sua coluna, o impacto que a suspensão não for capaz de absorver será repassado para seu corpo, mais exatamente para a sua coluna e ao final de algumas horas de viagem você se lembrará desta dica!

BURACOS
Como enfrentá-los? Primeiro evite-os sempre que possível. Quando não for possível, freie o que puder antes dele e nunca freie sobre o buraco. A roda dianteira poderá travar e catapultá-lo. Levante do banco e passe-o. Muitos buracos entortam o aro e quando for pneu sem câmara, poderá esvaziar rapidamente, portanto cuidado!

ESTERÇAR
Também chamado de contra-esterço. Muitos motociclistas não conhecem este termo ou seu resultado. Esterçar é virar o guidom ao contrário do sentido da curva. Parece loucura? Mas não é! Faça um teste: quando estiver andando na reta numa pista larga, empurre suave e lentamente o guidom para a esquerda com a mão direita, qual será o resultado? A princípio pensaremos que a moto irá para a esquerda, mas não! Ela irá para a direita! Este resultado deve-se, para não se alongar muito, ao deslocamento de centro de gravidade e ao efeito "giroscópico" que surge em velocidades superiores a 35 km/h e se torna maior conforme a velocidade. Trata-se de um fenômeno físico criado pelo movimento das rodas da moto e que tende a mantê-la em pé e em linha reta enquanto houver movimento e velocidade. Quando aplicamos isso em uma curva é uma delícia! A moto faz a curva com mais suavidade e leveza sem escapar de frente como é comum às motos pesadas. Quanto mais rápido você estiver, maior será o deslocamento, por isso faça com cuidado nas primeiras vezes. Para fazer isso em uma curva, ao começá-la vire suavemente o guidom no sentido contrário da curva. Verá que a moto inclinará mais facilmente para dentro da curva na medida em que você esterçar mais, portanto poderá regular o raio de ação de sua curva esterçando mais ou menos. Se você estiver na curva e quiser levantar a moto que está inclinada, basta diminuir o esterço para levantar. Experimente! Mas com cuidado! Sua pilotagem vai mudar radicalmente e para melhor!

Fonte: HOG Brasília Chapter Brasil